Ansiedade e seu impacto na saúde bucal

A saúde bucal é um elemento muito importante para ter uma vida saudável e tranquila. Contudo, os dentes e a boca são afetados pelos hábitos e tensões diárias, sendo que uma que mostra uma relação mais profunda é a ansiedade. Deste modo é preciso entender como a ansiedade e saúde bucal estão relacionados.

Quando cuidamos do cotidiano, do trabalho e da mente, o corpo reage, tornando ou não o bem-estar mais presente e afetando na qualidade de diversas partes do corpo.

No presente artigo abordaremos sobre como o cuidado com a saúde bucal, desde as práticas de higienização diária até os procedimentos estéticos odontológicos, como clareamento dental, e o cuidado com a saúde mental estão relacionados, influenciando-se mutuamente.

Relacionamento entre saúde emocional e bucal

O cotidiano é muito agitado e isso pode afetar o corpo, já que gera estresse e ansiedade. Essa resposta é fisiológica e pode trazer muitos problemas para a boca.

A ansiedade pode ser materializada em quatro tipos de estresse, sendo três deles os mais comuns e prejudiciais, como o distresse, hipostresse e o hiper estresse. 

O distresse é um efeito negativo que pode ser potencializado por fatores variados, que vão desde problemas econômicos, sociais e de relacionamento, gerando problemas como:

  • Medo;
  • Frustração;
  • Tristeza;
  • Raiva.

Já o hiper estresse é quando há um grande esforço para que os prazos sejam cumpridos, também podendo trazer frustração. 

Por fim, o hipostresse, traz elementos negativos, o que gera tédio e desespero.

A ansiedade geralmente decorre de um processo de estresse e pode estar associada também a outras doenças, que podem afetar muitas áreas do corpo, principalmente a saúde bucal.

Inclusive, se não controlada adequadamente, pode acarretar em fraturas e perda dental. Nesses casos, pode ser necessário recorrer aos tratamentos odontológicos como implante dentário.

Neste ponto, cabe ressaltar que pode haver um ciclo de impactos, já que a ausência dental também pode impactar na saúde mental.

Assim, para que os dentes não sofram e outros efeitos psicossomáticos sejam controlados, é preciso que haja um acompanhamento adequado com especialistas de saúde mental e dentistas. 

No tópico abaixo abordaremos sobre as disfunções bucais que podem ser associadas com a ansiedade.

Disfunções bucais associadas com a ansiedade

Existem variadas disfunções bucais associadas à ansiedade e ao estresse e que podem trazer muitos malefícios a boca e aos dentes também.

Abaixo conheceremos sobre algumas das disfunções e hábitos que podem ser adquiridos com a ansiedade e que geram esses problemas.

  1. Bruxismo

Uma das disfunções mais associadas a problemas de ansiedade e estresse é o bruxismo, que também pode interferir na resistência dental ou mesmo, caso houver, nos procedimentos odontológicos como o aparelho ortodôntico.

O bruxismo consiste em um tipo de ranger de dentes inconsciente, que pode causar variadas dores e que, quando não bem acompanhada, pode causar fraturas na arcada dentária.

Dentre as possíveis origens, essa disfunção está associada à ansiedade, pois o corpo alivia a tensão pressionando os dentes uns contra os outros. 

Para aliviar a tensão e os impactos na estrutura dental também é possível recorrer ao uso de estruturas intra orais, que protegerão os dentes.

Dentre os efeitos colaterais que podem ocorrer na falta de cuidado adequado com o bruxismo estão:

  • Danos à mastigação;
  • Enxaqueca;
  • Insônia;
  • Desgaste do esmalte dentário.

Ainda não existe cura para o bruxismo e o tratamento é começado com um tipo de fisioterapia, além do uso de uma placa miorrelaxante, permitindo que os dentes não entrem em atrito uns com os outros.

Em alguns casos é usada a toxina botulínica, proporcionando o relaxamento dos músculos, evitando a contração dos músculos e permitindo que o ranger dos dentes diminua.

  1. Gengivite

A gengivite é uma inflamação que ocorre na gengiva, sendo sua principal causa a falta de higienização adequada. 

Esse tipo de problema bucal pode ser associado a quadros de ansiedade, pois, quando os indivíduos passam por esses quadros, a capacidade de manter uma higienização adequada pode ser afetada.

  1. Roer as unhas

Quando a pessoa apresenta um grau de ansiedade mais elevado, alguns hábitos podem se tornar mais recorrentes e ainda mais prejudiciais, sendo um exemplo a prática de roer as unhas. 

Esse hábito pode gerar problemas, principalmente desgaste do esmalte do dente e proliferação de bactérias.

  1. Tabaco e álcool

Os desequilíbrios emocionais e que podem ser associados a ansiedade e quadros de depressão podem levar a alguns vícios ruins para a saúde bucal e corporal, como o tabaco e o consumo exagerado de álcool.

Esse tipo de hábito gera variados problemas, como amarelamento dos dentes e proliferação de bactérias, bem como pode favorecer inflamações. 

Assim, pessoas que possuem algum tratamento como o aparelho dentário precisam tomar mais cuidado com essas atitudes, já que a estrutura também pode atuar como uma barreira na higienização, contribuindo ainda mais com a proliferação de bactérias.

Assim, esses problemas devem ser cuidados tanto por profissionais qualificados na área de saúde mental, como por dentistas e clínicos gerais, ou mesmo grupos de apoio (no caso de vício).

Esse acompanhamento deve ocorrer de forma simultânea para quem não haja problemas quanto à saúde dos dentes ou interfira de maneira grave em tratamentos como o aparelho transparente.

Somente assim é possível controlar a ansiedade, enfrentar o cotidiano e ainda tornar os dentes muito mais bonitos.

Por fim, de modo a reparar a estrutura também é possível recorrer ao apoio dos profissionais para tratamentos mais voltados para o aspecto estético.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe da Clínica Ideal, plataforma especializada em marketing e gestão para consultórios e clínicas odontológicas